Gestão e Sustentabilidade – Caminho sem volta

O conceito de Sustentabilidade precisa ocorrer de forma sistêmica nas empresas, assim como aconteceu, na década de 90, com o conceito da Qualidade Total, lembram-se?
Naquela época, a globalização impunha a sistematização de procedimentos, tendo em vista a padronização de produção e serviços para o mercado internacional.
Certificações ISO ainda hoje são um diferencial nas empresas, especialmente no Brasil.
Critérios para adquirir e manter estas certificações são bastante rígidos.

Hoje, a crise das emissões de Carbono e suas consequências devastadoras para o planeta, está gerando mecanismos de controle ambiental no mundo todo.
Para a mitigação deste risco ambiental sistêmico, estão sendo impostas ao mercado internacional condições para que sejam adotadas medidas de reengenharia empresarial, que avaliam os processos produtivos do início ao fim. É o chamado Ecodesign, que analisa cada processo sob a ótica da sustentabilidade.
Assim, não apenas devem ser adotadas medidas corretivas “de fim de tubo”, ou seja, na fase final do processo produtivo, mas ao longo de toda sua trajetória, desde o tipo dos insumos, passando pelos meios de produção, até a destinação final de resíduos, preocupando-se inclusive com a “logística reversa”.

O artigo a seguir nos lembrou os conceitos da Qualidade Total, que vieram e ficaram, em todo o mundo, como necessidade competitiva.
Da mesma forma, o conceito de Sustentabilidade chega nesta década como solução irreversível para os problemas ambientais.
Não há como fugir desta realidade.
Não apenas os empresários, como toda a sociedade precisarão se ajustar a este conceito, não apenas para receberem “certificados”, mas principalmente para que nos reste a esperança de condições de vida no futuro.

05/07/2011 – 13:07

Empresas filiadas à FNQ consideram fundamental inovação para sustentabilidade

Uma pesquisa realizada em maio último com 63 entrevistados de empresas filiadas à Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) revelou que 97% deles consideram fundamental que as organizações inovem para buscar a sustentabilidade, tanto do negócio quanto da economia e do planeta. Apesar dessa consciência, 70% dos participantes do estudo acreditam que as empresas, de maneira geral, estão preocupadas, mas não direcionam seus investimentos em inovações com foco no crescimento sustentável.

O levantamento mostra que 27% dos entrevistados apontaram a gestão como a principal preocupação das empresas em que trabalham, enquanto 22% indicaram a sustentabilidade e 19% a redução de custos. Além disso, os participantes consideraram que os três setores da economia mais alinhados aos princípios da inovação para sustentabilidade são, na ordem, energia, automobilístico e de papel e celulose.

Para Jairo Martins, superintendente-geral da FNQ, os resultados da pesquisa mostram que a maioria das empresas ainda ignora o tamanho do problema da sustentabilidade. “Enquanto dominar o pensamento pelo viés econômico, cujo sucesso é medido pelo PIB, o atual modelo de desenvolvimento insustentável não vai mudar e não serão incluídas na pauta das organizações as questões socioambientais. É um desafio de gestão para as empresas”, destaca.

O executivo ressalta que as empresas ainda relacionam inovação à pesquisa e ao desenvolvimento tecnológico, mas é necessário ter uma visão sistêmica da gestão e compreender que a inovação deve acontecer também na liderança, nas ações de marketing e no modelo de negócios.

– A inovação para sustentabilidade precisa fazer parte do planejamento estratégico da empresa. Hoje, as organizações enxergam a sustentabilidade como um subconjunto da gestão e não como parte integrante do processo de gestão como um todo – conclui.

Criada em 1991, a Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) é uma instituição sem fins lucrativos cujo objetivo é disseminar amplamente os Fundamentos da Excelência em Gestão para organizações de todos os setores e portes. A instituição é responsável pela organização, promoção e avaliação do Prêmio Nacional da Qualidade (PNQ), que reconhece anualmente as melhores práticas de excelência de gestão das empresas brasileiras.

Fonte: http://www.monitormercantil.com.br/mostranoticia.php?id=97246

Sobre Dora Brasil Arquitetura, Sustentabilidade e Segurança

Arquiteta e Engenheira de Segurança do Trabalho, com atuação no mercado há trinta anos, direciona seu trabalho à questões de conforto, funcionalidade, eficiência, saúde, segurança, bem estar e preservação do meio ambiente. Esta filosofia vem sendo maturada e está se concretizando com a atualização profissional em Gestão Ambiental com Tecnologias Limpas, Construções Sustentáveis (Conceitos LEED) e certificação PROCEL-Edifica (EtiqEEE - Etiquetagem de Eficiência Energética em Edifícios). Nosso objetivo é levar à sociedade os conceitos de Eficiência, procurando gerar projetos para edificações visando o baixo consumo de energia e água potável, através de diversas soluções alternativas que envolvam o desgaste mínimo dos insumos da natureza e a redução das emissões de gases nocivos ao meio ambiente.
Esse post foi publicado em Sustentabilidade. Bookmark o link permanente.

Comentaremos em breve!!

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s