“Smart grid” no Brasil

Notícias para um futuro próximo. Os medidores inteligentes serão a grande arrancada para as tecnologias limpas de produção de energia.
Tomara que as medidas administrativas, legais e operacionais para a adequação deste sistema se intensifiquem.

 

 

pix.gif
Brasil – Smart grid ou, em português, redes inteligentes, trata-se de um conjunto de tecnologias e de regulamentações governamentais, comumente atrelado ao consumo de energia elétrica, que vem ganhando cada vez mais espaço no cenário mundial. Apesar de suas múltiplas possibilidades de aplicação, o conceito de smart grid ganha destaque ao proporcionar um novo jeito de olhar para o consumo de energia.Você já pensou em abastecer seu veículo elétrico em pontos de abastecimento espalhados pela cidade e através de um número ou código, esse consumo vai direto para a sua conta de energia? Ou ainda ter informações reais do seu consumo de energia em cada hora do dia, possibilitando ter mais controle sobre o consumo e tarifas diferenciadas?Em um primeiro momento, a smart grid inicia sua configuração com a instalação de medidores de energia elétrica inteligentes – muito mais complexos que os leitores de consumo conhecidos hoje no mercado. Os medidores inteligentes são uma via bidirecional entre a concessionária e o consumidor final pois, com eles, a concessionária terá em mãos uma série de informações antes impossíveis de serem obtidas com os medidores comuns. Um exemplo disto é a possibilidade de saber que em determinado horário do dia foi consumido mais ou menos energia em cada casa, tornando o serviço mais inteligente e customizado.

Neste caso, o avanço tecnológico proporcionado pelo smart grid traz em si, também questões éticas. Se, por um lado, ganhamos poder por meio do controle do uso da energia, de forma econômica e inteligente, do outro há um entrave, uma questão cultural que precisa ser muito bem discutida no Brasil. Com os medidores inteligentes, as concessionárias terão em mãos informações em tempo real dos consumidores, tais como: o horário que há mais pessoas nas casas, quantos aparelhos de televisão estão ligados, quantos banhos foram tomados. O governo, junto às concessionárias, terá que encontrar uma saída para essa questão: manter a privacidade do consumidor pensando até que ponto esse verdadeiro “big brother elétrico” pode ir, sem deixar de garantir ao consumidor que essas informações não serão usadas de forma inadequada.

Falando ainda nas tecnologias que envolvem o smart grid, a automação, seja ela industrial, predial, residencial, de sistemas elétricos, é outro elemento fundamental que, integrado ao medidor inteligente, será capaz de programar diversas tarefas. Em um simples exemplo: programar a máquina de lavar roupa para que ela funcione às 3h da manhã porque nesse horário a tarifa é mais barata. Fora do país esse conceito é conhecido como Building Manager Energy, ou seja, gestão de energia em edificações.

Ainda dentro do segmento de automação, podemos abordar outro conceito: resposta à demanda. Este conceito consiste no controle da energia conforme o consumo da usina. Em outras palavras, em horários de pico – de 18h às 20h (horário em que as pessoas saem do trabalho, chegam em casa e tomam banho) – a usina pode diminuir seu consumo interno, canalizando tudo para a geração de energia para a população. Nesse período, a usina poderia diminuir ou parar o consumo de ar condicionado de seus corredores.

Outra possibilidade dentro da tecnologia da automação é a geração distribuída de energia, ou seja, fazer com que a energia excedente possa ser redistribuída. Uma casa com teto solar, que alterne seu consumo entre energia solar e energia elétrica, pode ter um excedente ao fim do mês que pode ser “vendido” para a usina.

Estas são algumas das aplicabilidades do smart grid. É evidente que ainda temos muito a percorrer se comparado a países como EUA, China, Japão e Europa, que já possuem diversos sistemas implantados e estão com o conceito muito mais desenvolvido. Entretanto, o Brasil, em relação a esses países, tem um diferencial muito grande: a energia que geramos aqui é “limpa”, vem de nossa extensa bacia hidrográfica, enquanto outros países utilizam carvão, energia nuclear e energia termoelétrica para suprir o seu consumo.

Há quem possa dizer “mas com isso vamos precisar de mais usinas” – e, consequentemente, haveria um grande desequilíbrio ambiental com desmatamentos, alagamentos de regiões, mudanças de curso de rios, desapropriações etc. Porém, a ideia do smart grid é justamente o contrário: com o consumo de energia inteligente e eficiente, não precisaríamos mais de tantas usinas, mesmo com o iminente aumento do consumo da energia.

No Brasil, esse conceito começa a engatinhar: a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) ainda está em fase de regulamentação e testes com os medidores inteligentes. Por isso, acredito que em cinco anos já teremos uma base sólida de medidores instalados, o que, consequentemente, puxará a implantação e a automação de sistemas elétricos e o gerenciamento de energia (predial ou residencial). Antes disso, enfrentaremos grandes desafios, como a regulamentação já citada e a infraestrutura de comunicação para que o sistema funcione de forma adequada, uma vez que nosso sistema elétrico tem mais de 30 anos. São questões que devem ser discutidas.

Fonte: Portal Fator Brasil – 08.11.2011

Sobre Dora Brasil Arquitetura, Sustentabilidade e Segurança

Arquiteta e Engenheira de Segurança do Trabalho, com atuação no mercado há trinta anos, direciona seu trabalho à questões de conforto, funcionalidade, eficiência, saúde, segurança, bem estar e preservação do meio ambiente. Esta filosofia vem sendo maturada e está se concretizando com a atualização profissional em Gestão Ambiental com Tecnologias Limpas, Construções Sustentáveis (Conceitos LEED) e certificação PROCEL-Edifica (EtiqEEE - Etiquetagem de Eficiência Energética em Edifícios). Nosso objetivo é levar à sociedade os conceitos de Eficiência, procurando gerar projetos para edificações visando o baixo consumo de energia e água potável, através de diversas soluções alternativas que envolvam o desgaste mínimo dos insumos da natureza e a redução das emissões de gases nocivos ao meio ambiente.
Esse post foi publicado em Meio Ambiente, Sustentabilidade. Bookmark o link permanente.

Comentaremos em breve!!

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s