A Arquitetura como fator de integração de Nações

Século XXI.

Diante de toda a experiência histórica vivida pelos povos do mundo, as nações já deveriam estar categoricamente conscientes da necessidade de buscarem harmonia. Disputas de poder não trazem nada além de guerras, mortes, destruição. Será esse  mesmo o modelo de civilização que a humanidade quer? A troco de quê?

O ser humano não aprendeu, mesmo após mais de 5.000 anos, que o grande modelo da vida é a Natureza. A homeostase (homeo- = semelhança; -stasis = ação de pôr em, estabilidade) é o princípio básico da Natureza, que propicia os fenômenos físicos, químicos e biológicos, observados e desenvolvidos pela ciência, em prol do progresso tecnológico.

A percepção humana se perdeu no momento em que o progresso desenfreado começou a corromper o equilíbrio da Natureza. O homem deixou para trás seus valores primordiais. A humanidade passou até mesmo a estranhar-se… A disputa pelo poder fez com que os humanos/animais “racionais”, entrassem em conflito por razões efêmeras. A troco de quê?

Líderes de grandes nações, legitimamente eleitos, vangloriam-se por ideias separatistas, xenófobas, como se não fôssemos todos povos miscigenados… O distanciamento da humanidade do SER HUMANO está gerando medidas absolutamente inaceitáveis.

O artigo a seguir retrata  como um grupo de Arquitetos utilizam a Arquitetura e o Urbanismo, de maneira doce e idílica, como solução para suavizar um elemento de cisão, transformando-o em ponto de comunhão entre povos e nações. (DB)

Arquitetura para integrar fronteiras / Fernando Luiz Lara

kara_evan_1Desde o início de 2016 a campanha presidencial nos EUA teve a imigração como questão central. A proposta do presidente eleito Donald Trump de construir um muro entre o México e os Estados Unidos, e sua declarada intenção de deportar todos os imigrantes indocumentados, atraiu a atenção do mundo inteiro para os complexos problemas daquela região de fronteira. Fronteiras podem ser entendidas como entidades geográficas, barreiras políticas, ou outros limites de espaço. Fronteiras podem ser exploradas através de várias lentes conceituais.

A análise da atual fronteira México-EUA revela a existência de três grandes indústrias que direcionam o discurso sobre, e em maior medida, toda a paisagem da fronteira.

A Primeira é a indústria da globalização que movimenta 500 bilhões em mercadorias entre os EUA e o México a cada ano, e cujo objetivo é facilitar esse intercâmbio.

A segunda é a indústria do trabalho mal-remunerado que emprega milhões de trabalhadores hispânicos em todo os EUA (legalmente ou não), interessados que estão em uma fronteira não exatamente fechada, mas tampouco totalmente aberta, mantendo assim os trabalhadores fronteiriços preocupados com a deportação e, portanto dispostos a péssimas condições de trabalho.

O terceiro setor é a indústria militar que vende medo e banca a violência na área de fronteira com sua ineficiente guerra às drogas, justificando o gasto de bilhões de dólares em equipamentos, pessoal e infraestrutura num círculo vicioso que alimenta a si mesmo e consome vidas e recursos de ambos os governos.

edith_plan

Tais indústrias são responsáveis pela insegurança e pelo assédio diário de milhões de pessoas que precisam ou querem atravessar a fronteira, sem, no entanto, conseguir controlar o fluxo de drogas rumo ao norte ou de armas rumo ao sul.

A arquitetura, com seu poder de articular uma visão de um futuro melhor, tem a responsabilidade de trabalhar tais conflitos e ser parte da solução. Fernando Lara, professor associado da Universidade do Texas em Austin convocou seus alunos de mestrado a pensar sobre a questão da imigração. A ideia foi desenhar soluções para uma fronteira MéxicoEUA que fosse segura, sustentável e igualitária.

O atelier de projeto teve uma premissa básica: Imaginar uma fronteira em que as pessoas podem se mover livremente, mas que todo tipo de cargas seja detalhadamente inspecionada. Para tanto torna-se necessário desconstruir as bases das três grandes indústrias brevemente descritas acima, e propor uma fronteira mais humana e funcional.

Os doze estudantes no atelier da UT Austin, EUA, trabalharam em paralelo com ateliers da Universidad Autonoma Nuevo León em Monterrey, México. Os estudantes de ambos os lados da fronteira tiveram a oportunidade de interagir e trabalhar em conjunto para encontrar soluções para promover a integração em diferentes cidades fronteiriças.

robyn_raphael

Os estudantes sugeriram que estas fronteiras, em vez de terrenos abandonados e militarizados, poderiam ter parques, estações de tratamento de água, instalações esportivas e centros comerciais. A presença ativa de pessoas em atividades de lazer e negócios inibiria o trânsito de armas e drogas e ajudaria a integrar populações dos dois países.

20161102 time map 3654

Os problemas que cercam qualquer fronteira são complexos. Mas a arquitetura e urbanismo podem contribuir enormemente se atuarmos politicamente da forma correta. Governos devem criar integração comunitária e oportunidades econômicas para cidades irmãs e suas populações irmãs. Isso significa costura-las e não segrega-las.

Fernando Luiz Lara é Arquiteto pela UFMG; PhD pela Universidade de Michigan; Professor associado na Universidade do Texas; Fundador e consultor do LUA LAB – Laboratório de Urbanismo Avançado; Consultor da Horizontes Arquitetura e Urbanismo.

Sobre Dora Brasil Arquitetura, Sustentabilidade e Segurança

Arquiteta e Engenheira de Segurança do Trabalho, com atuação no mercado há trinta anos, direciona seu trabalho à questões de conforto, funcionalidade, eficiência, saúde, segurança, bem estar e preservação do meio ambiente. Esta filosofia vem sendo maturada e está se concretizando com a atualização profissional em Gestão Ambiental com Tecnologias Limpas, Construções Sustentáveis (Conceitos LEED) e certificação PROCEL-Edifica (EtiqEEE - Etiquetagem de Eficiência Energética em Edifícios). Nosso objetivo é levar à sociedade os conceitos de Eficiência, procurando gerar projetos para edificações visando o baixo consumo de energia e água potável, através de diversas soluções alternativas que envolvam o desgaste mínimo dos insumos da natureza e a redução das emissões de gases nocivos ao meio ambiente.
Esse post foi publicado em Arquitetura, Meio Ambiente, Sociedade e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Comentaremos em breve!!

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s