Rachaduras em teto de gesso exigem cuidado!

Olá, Caros Leitores!
A reportagem a seguir ilustrará como identificar preliminarmente potenciais riscos em fissuras ou rachaduras em forros de gesso.  Se compreendermos um pouquinho como é a instalação do forro de gesso, fica mais fácil entender.
O forro de gesso convencional é aplicado em placas quadradas (60 cm X 60 cm), fixadas à laje superior por chumbamento  dos tirantes de metal galvanizado. Vibrações, ar salitroso, variação térmica ou infiltração, podem comprometer a integridade do forro de gesso, causando as fissuras. 

A) Vibrações:Fissuras ou rachaduras, a depender da intensidade da vibração ou de possível comprometimento estrutural. Recomendável fazer teste com fita adesiva sobre a fissura, para verificar se ela aumenta de largura. Necessário consultar um especialista. 

B) Ar Salitroso: Fissuras ou marcas pontuais (no ponto de fixação do tirante metálico) com mancha de ferrugem. Necessária intervenção imediata, pois o tirante pode partir pela oxidação e a placa desprenderá do forro, podendo causar acidentes.

C) Variação Térmica: A depender de como as placas estão unidas, pode ocorrer fissura por variação térmica (dilatação e retração dos materiais, em função da variação da temperatura do lugar). Essas fissuras costumam ocorrer nas junções das placas, demarcando-as. O fator estético é o mais grave.

D) Infiltração: A presença de água sobre as placas de gesso cria manchas e bolhas, além de gerar um sobrepeso na estrutura do forro. Necessária a verificação da evolução das manchas, pois, em função da intensidade do crescimento, pode estar ocorrendo uma simples infiltração (falhas no rejuntamento de piso no pavimento superior) ou um vazamento de tubulação, que poderá vir a causar danos mais graves.

 

Nos campos abaixo, tire suas dúvidas conosco!

(DB)   


Especialista aponta a melhor forma de reparar possíveis rompimentos em estruturas de gesso

CURITIBA, Abril, 2017 – Movimentações do solo, encolhimento e expansão derivados do clima, idade e degradações causadas pela água são exemplos de fatores que podem causar danos a estrutura dos mais variados tipos de construções.

Um dos problemas mais comuns observados em residências é o surgimento de rachaduras e fendas em tetos de gesso. Entretanto, a flexibilidade do material permite que na maioria das vezes, as trincas e fissuras sejam reparadas sem o auxílio de mão de obra especializada.

Primeiramente é preciso avaliar a profundidade e o tipo das rachaduras. De acordo com a designer e arquiteta Katalin Stammer, supervisora do Núcleo de Design do Centro Europeu, é importante estar atento também ao que está provocando o problema. “Todas as rachaduras representam um risco, mas algumas podem se tratar de um dano estrutural mais sério”, alerta a profissional.

Uma alternativa para identificar o nível de gravidade das danificações no gesso é observar o formato e posição das rupturas. “Trincas ou fissuras (na vertical ou na horizontal) rasas geralmente são superficiais e menos preocupantes. Já as rachaduras inclinadas (na diagonal e profundas) indicam problemas na estrutura. Para estas, é necessário contar com a ajuda de um profissional”, orienta Katalin Stammer.

Ainda segundo a arquiteta, quando superficiais as rachaduras podem ser restauradas com o uso de tintas emborrachadas, sela-trincas, fita telada de fibra de vidro, curativos para paredes e massa acrílica. “É indispensável lembrar que para um trabalho bem sucedido, é necessário que além da qualidade dos materiais, as especificações técnicas sejam seguidas a risca, assim o problema será solucionado da melhor forma possível”, completa.

Passo a passo para consertar rachaduras em gesso

1 – Com o auxílio de uma espátula, aumente em aproximadamente 2cm cada rachadura para que o produto penetre melhor;

2 – A seguir, elimine todo o pó e a sujeira gerados ao aumentar as rachaduras, para que o produto reparador se fixe bem. Use uma escova ou pincel para essa limpeza;

3 – Prepare a massa do produto com o qual você vai consertar as rachaduras seguindo as instruções do fabricante para conseguir um bom resultado;

4 – Aplique a massa ou produto para tapar a rachadura com uma espátula. Faça isso no sentido longitudinal e aplicando só o produto necessário. Deixe o produto secar o tempo estipulado pelo fabricante;

5 – Depois de seca, lixe a área consertada e limpe novamente os restos de pó. Feito isso, a área consertada estará pronta para a pintura.

Sobre Dora Brasil Arquitetura, Sustentabilidade e Segurança

Arquiteta e Engenheira de Segurança do Trabalho, com atuação no mercado há trinta anos, direciona seu trabalho à questões de conforto, funcionalidade, eficiência, saúde, segurança, bem estar e preservação do meio ambiente. Esta filosofia vem sendo maturada e está se concretizando com a atualização profissional em Gestão Ambiental com Tecnologias Limpas, Construções Sustentáveis (Conceitos LEED) e certificação PROCEL-Edifica (EtiqEEE - Etiquetagem de Eficiência Energética em Edifícios). Nosso objetivo é levar à sociedade os conceitos de Eficiência, procurando gerar projetos para edificações visando o baixo consumo de energia e água potável, através de diversas soluções alternativas que envolvam o desgaste mínimo dos insumos da natureza e a redução das emissões de gases nocivos ao meio ambiente.
Esse post foi publicado em Arquitetura, obras, reforma e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Comentaremos em breve!!

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s