Elevadores externos e as Saídas de Emergência

Ao longo da vida profissional, tivemos a oportunidade de  perceber como a multidisciplinaridade é importante.

Em nossa atuação com Arquitetura e Segurança contra Incêndios, torna-se impossível deixar de vincular ao artigo a seguir – sobre elevadores externos -, a importância dos elevadores de segurança na evacuação de uma edificação verticalizada.

Um elevador de segurança possui critérios exclusivos de instalação, visando a estanqueidade em relação à fumaça e à proteção estrutural de sua caixa em relação ao fogo. Circulações e antecâmaras são igualmente protegidas, para que a rota de fuga esteja preservada dos riscos do incêndio.

A solução dos elevadores externos pode vir a ser de valor inestimável, especialmente em imóveis com usuários cuja mobilidade é reduzida ou para edifícios que não possuam os meios suficientes para evacuação das pessoas em condições de segurança, tais como os prédios mais antigos.

Obviamente, vários fatores precisam ser levados em consideração para que o elevador externo seja instalado de maneira adequada aos condicionantes de segurança contra incêndio.

  • Otimização dos fluxos de pessoas na rota de fuga;
  • preservação da estanqueidade da estrutura do elevador em relação ao fogo (afastamento em relação às aberturas da envoltória);
  • velocidade de tráfego, visando a plena evacuação do imóvel em tempo hábil;
  • alimentação elétrica independente e por gerador (ou outra solução que não seja incompatível ao combate ao incêndio), dentre outros aspectos.

Arquitetura, Segurança contra Incêndio, Sustentabilidade são matérias absolutamente compatíveis e complementares, cuja interseção agrega ao edifício um valor bastante considerável. Obviamente, a quantidade de variáveis da equação “projeto” a serem resolvidas passa a ser mais ampla, tornando-a  bastante complexa, porém mais rica, especialmente para o cliente final, o usuário da edificação.

(DB)


Fonte: AECweb > Revista Digital

Construção de elevadores externos exige estruturas bem dimensionadas

Com perfis de aço ou elementos de concreto, a caixa de corrida deve ser compatível com as cargas exigidas pelo equipamento de transporte vertical, que valoriza residências e pequenos edifícios

 

Texto: Juliana Nakamura

Elevadores externos podem garantir acessibilidade e ainda valorizar o imóvel (Alexander Zamaraev / shutterstock)

Os elevadores externos têm sido cada vez mais utilizados, seja para valorizar o imóvel, seja para assegurar a acessibilidade em edificações residenciais ou comerciais que tenham entre dois e quatro pavimentos. Isso tem acontecido devido à crescente verticalização das casas nas grandes cidades, resultado do alto custo dos terrenos, e do desenvolvimento de equipamentos cada vez mais compactos e silenciosos.

DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA DE ELEVADORES

A inserção de um elevador em uma construção nova ou antiga depende de planejamento e, principalmente, de um projeto que dê conta de todos os detalhes que ela exige.

A estrutura deve ser projetada de acordo com as cargas definidas no projeto executivo do equipamento, incluindo as reações no fundo do poço, as reações dos suportes de guias e as reações da máquina de tração

Reinaldo Gracelacio Paixão

O primeiro desafio é projetar a estrutura da caixa de corrida anexa à edificação e posicionada em um ponto central da planta para facilitar a circulação das pessoas. De acordo com Reinaldo Gracelacio Paixão, diretor de engenharia da Thyssenkrupp Elevadores, a estrutura deve ser projetada de acordo com as cargas definidas no projeto executivo do equipamento, incluindo as reações no fundo do poço, as reações dos suportes de guias e as reações da máquina de tração. As fundações devem ser independentes, de acordo com cada caso. “O projeto deve considerar a capacidade máxima, a velocidade do equipamento e as condições de uso, por exemplo, no momento da frenagem. Também é preciso levar em conta o fluxo de pessoas na edificação”, acrescenta o engenheiro Fernando Peiter, diretor de vendas e marketing da Otis Elevadores na América Latina.

CONDIÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE ELEVADORES

A construção da caixa de corrida pode ser feita com vigas e pilares de concreto ou com toda a parte do piso de concreto armado, e a estrutura da caixa de perfis de aço. Essa segunda alternativa é especialmente indicada quando se busca uma obra mais rápida e limpa, com menos desperdício de material.

estrutura metálica é vantajosa quando o elevador é instalado em um imóvel pronto, que não tem área própria para recebê-lo.

O dimensionamento da caixa de corrida depende fundamentalmente do modelo de elevador escolhido. De modo geral, em toda a extensão da área interna da caixa, é necessário um rebaixo em relação à laje inferior. Além disso, a altura mínima do pé-direito do último andar deve ser de 2,7 m.

Na parte elétrica, o projeto deve prever a instalação de um quadro de distribuição exclusivo para o elevador, com disjuntor trifásico de 20 A, além de iluminação.

O projeto deve considerar a capacidade máxima, a velocidade do equipamento e as condições de uso. Também é preciso levar em conta o fluxo de pessoas na edificação

Fernando Peiter

PROJETOS COM ELEVADORES EXTERNOS

A casa BF, localizada em Nova Lima (MG), tem um elevador externo integrado à arquitetura. A edificação foi concebida para proporcionar aos moradores o máximo proveito da paisagem exuberante da região, por isso foi construída 15,5 m acima do nível da rua. O elevador, nesse caso, foi peça-chave no projeto do arquiteto Humberto Hermeto. Isso porque ele garantiu acessibilidade, sem comprometer a leveza estrutural e a transparência.

Um elevador externo também foi a solução encontrada pelo arquiteto Roberto Fialho, do escritório Nave Arquitetos, para a reforma do museu Casa Guilherme de Almeida, em São Paulo (SP). O objetivo era garantir acessibilidade sem interferir na estrutura protegida pelo patrimônio histórico. O projeto previu a instalação de um elevador panorâmico no fundo do terreno, conectando o térreo ao primeiro andar. O equipamento é sustentado por uma estrutura autoportante metálica travada em uma passarela que também recebe as cargas da torre.

NORMAS TÉCNICASA instalação de elevadores deve atender às seguintes normas técnicas:

• ABNT NBR 12.892 – Elevadores Unifamiliares ou de Uso Restrito à Pessoa com Mobilidade Reduzida – Requisitos de Segurança para Construção e Instalação (atualmente, em revisão)
• ABNT NBR NM 267 – Elevadores Hidráulicos de Passageiros – Requisitos de Segurança para Construção e Instalação
• NR 10 – Segurança em Serviços e Instalações Elétricas
• NR 35 – Procedimentos para Trabalhos em Altura

COLABORAÇÃO TÉCNICA

Reinaldo Gracelacio Paixão – Engenheiro eletrônico pós-graduado em Gestão Empresarial e em Perícia em Engenharia Elétrica. É diretor de engenharia da área de negócios Elevator Technology da Thyssenkrupp para o Brasil.
maria-amelia-adissy-silveira
Fernando Peiter – É formado em Engenharia Elétrica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) e tem mestrado em Administração de Negócios pela Fundação Dom Cabral. É diretor de vendas e marketing da Otis Elevadores na América Latina.
Anúncios

Comentaremos em breve!! Agradecemos sua visita!

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.