Incêndios entre paredes

Muitas vezes, as coisas funcionam e não nos damos conta de COMO elas ocorrem, nem dos RISCOS que podem estar relacionados e elas.

Você sabia que a instalação elétrica de um prédio pode ser a causa de INCÊNDIOS?

Silenciosamente, a fiação elétrica de uma edificação distribui-se por entre paredes, tetos e pisos, sem que ninguém se lembre dela.

Em condições tecnicamente satisfatórias, as instalações elétricas são dimensionadas a partir dos equipamentos que serão utilizados – computadores, aparelhos de TV, som e ar condicionado, chuveiros elétricos, ferros de passar, geladeiras, freezer e fornos, enfim… toda a parafernália de eletroeletrônicos que nos rodeiam, onde quer que estejamos.

Porém, em dois momentos, essas instalações podem ocasionar o perigo:

1º) se não forem dimensionadas adequadamente, por profissional habilitado;

2º) se, com o passar do tempo, novos equipamentos (cuja carga não havia sido prevista naquele circuito elétrico) forem instalados, sem uma revisão dos circuitos.

Por exemplo,  seu local não possuía aparelho de ar condicionado. Com a elevação da temperatura, especialmente nos meses do verão, torna-se quase impossível permanecer num ambiente pouco ventilado, sem um ar condicionado, concorda? Pois surge a necessidade de um novo componente na rede elétrica, que muitas vezes é instalado sem uma revisão da rede por um profissional especializado. Cabos elétricos não são trocados, circuitos não são ajustados e tendem a SOBRECARREGAR a rede original, o que pode causar um incêndio.

Mais simples do que isso, vem a ser a utilização de adaptadores de tomadas, que recebem vários equipamentos numa só tomada. A fiação desta tomada não está dimensionada para tantos equipamentos, o que gera um sobre-aquecimento do fio e potencializa o princípio de incêndio.

Fatores somados também causam desastres. Imagine este sobre-aquecimento da fiação exposta (sem eletroduto) que está em contato com lonas plásticas, isopor ou outros materiais pouco resistentes ao fogo? Isso é comum acima de forros. O confinamento da situação dificulta  a constatação do perigo e o combate do início do fogo, que tenderá a se alastrar.

Viu como o PERIGO está próximo e nem percebemos?

O Instituto Sprinkler Brasil, especializado em sistemas de segurança contra incêndio através de redes de Sprinklers, exibe, em seu Boletim Estatístico 2018, o levantamento dos incêndios no Brasil.

Considerando o primeiro gráfico a seguir, temos que cerca de 36% dos incêndios em 2018 ocorreram em empreendimentos comerciais e quase 22% em depósitos. Esta análise não sugere os motivos ou causas dessas ocorrências, mas podemos sugerir algumas situações peculiares:

  • ausência de manutenção da rede elétrica;
  • adaptações e gambiarras irregulares;
  • ocorrência de fiação solta, sem eletrodutos, em contato com materiais combustíveis;
  • sobrecarga da rede elétrica;
  • curto circuitos;
  • armazenamento de material combustível sem critérios técnicos;
  • falta de dispositivos de prevenção e combate ao fogo no local;
  • sobre-aquecimento de máquinas e motores em condições irregulares;
  • ausência de soluções arquitetônicas de arrefecimento da carga térmica no ambiente, beneficiando o funcionamento dos equipamentos.

Outro gráfico, oriundo desta mesma pesquisa, revela que os meses de verão são os campeões em incêndios no Brasil, especialmente Fevereiro, no auge da estação mais quente do ano, e pelas razões já expostas no início deste texto.

A ABRACOPEL, Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade, também possui dados estatísticos sobre a interferência dos riscos elétricos nos incêndios, além de orientações de como estes podem ser evitados. Acesse o link acima e conheça as dicas.

A manutenção preventiva periódica da rede elétrica, além da implantação das medidas de Segurança contra Incêndio e Pânico numa edificação, representam fatores de fundamental importância para a redução das ocorrências de incêndios, que podem comprometer vidas, patrimônio e reputação.

Tenha o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB) sempre atualizado.

Em caso de dúvida sobre estas e outras questões relacionadas ao INCÊNDIO, entre em contato conosco!

(DB)

Anúncios

2 comments

    1. Com enorme satisfação, acolho o seu comentário, Prof. Valter.
      O AVCB precisa ser renovado anualmente.
      Uma Vistoria Técnica deve ser solicitada ao CBMBA, para verificação das condições do imóvel, da sua compatibilidade ao projeto aprovado por aquela corporação, e das condições de manutenção dos sistemas que concernem à segurança contra incêndio.
      Quanto aos valores administrativos, o DAE para pagamento da Vistoria ao CBMBA custa cerca de R$ 0,53/m² da área construída da edificação, limitado este valor a R$ 6.178,80.
      Vale ressaltar que a Vistoria preliminar à emissão do AVCB só é realizada se a edificação possuir projeto de segurança contra incêndio e pânico analisado e aprovado pelo CBMBA, e esta etapa tem um custo administrativo de R$ 0,98/m² de área construída da edificação.

      O site a seguir fornece as informações necessárias à regularização do seu imóvel: http://www.cbm.ba.gov.br/portal/edificacao

      Espero ter dirimido as suas dúvidas. Estou à disposição para quaisquer esclarecimentos adicionais.
      Dora Brasil

      Curtir

Deixe uma resposta para Valter Senna Cancelar resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.